~8.000 a.C.

…o coração da pantera é o mesmo

e seu fantasma convoca nossa ancestralidade.